Tudo sobre as Eleições 2018
PUBLICIDADE

As trajetórias de Bolsonaro e Haddad até o segundo turno das Eleições 2018

Quem são, o que pensam e o que fizeram Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que passaram ao segundo turno das eleições presidenciais

As trajetórias de Bolsonaro e Haddad até o segundo turno das Eleições 2018
Compartilhar

Da Redação

Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) vão disputar o segundo turno das eleições presidenciais. Conheça a trajetória dos dois:

Jair Bolsonaro

Jair Messias Bolsonaro (PSL), 63 anos, é casado e pai de cinco filhos – três da primeira mulher, um da segunda e uma do atual casamento, com Michelle de Paula Firmo Reinaldo Bolsonaro. Nasceu em Glicério (SP) em 21 de março de 1955, embora tenha sido registrado em Campinas. Filho dos descendentes de italianos Percy Geraldo Bolsonaro e Olinda Bonturi, cresceu em Eldorado, na parte paulista do Vale do Ribeira. No início dos anos 1970, adolescente, ajudou a conduzir militares que procuravam pelo guerrilheiro Carlos Lamarca na região.

Deixou Eldorado em 1971, para ingressar na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas. Depois frequentou a Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ), onde se formou em 1977. De 1979 a 1981 serviu no 9º Grupo de Artilharia de Campanha, em Nioaque (MS) e, na sequência, especializou-se em paraquedismo na Brigada de Infantaria Paraquedista. Formou-se em Educação Física em 1983, no próprio Exército, e em 1987 frequentou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Seus últimos anos nas Forças Armadas ficaram marcados por episódios de indisciplina. Em 1986, publicou na “Veja” um artigo reclamando dos baixos salários, o que lhe rendeu 15 dias de prisão e a admiração de colegas. No ano seguinte, deu entrevista à mesma revista falando sobre uma operação para explodir bombas em banheiros de instalações militares em protesto contra o valor do soldo. Chegou a ser condenado à perda do posto e da patente pelo Conselho de Justificação Militar, mas depois foi absolvido pelo Superior Tribunal Militar.

LEIA TAMBÉM: O que pensa o ministro da Fazenda de um eventual governo Bolsonaro

Passou para a reserva em 1988, no posto de capitão. No mesmo ano se elegeu vereador no Rio de Janeiro e, em 1991, assumiu seu primeiro mandado na Câmara dos Deputados, em Brasília. Nunca mais deixou a Casa. Na eleição para o atual mandato, o sétimo consecutivo, foi o deputado federal mais votado do Rio de Janeiro, com 460 mil votos.

Sua atuação parlamentar ficou marcada pela defesa de benefícios das Forças Armadas. Fez do então presidente Fernando Henrique Cardoso – que alterou regras de aposentadoria e pensão dos militares – um de seus grandes inimigos.

Na economia, pautou-se por posições nacionalistas, estatistas e desenvolvimentistas, que o levaram, por exemplo, a defender o fuzilamento de FHC por privatizar a Vale e as telecomunicações e “entregar as nossas reservas petrolíferas ao capital externo”. Só mais recentemente o deputado mudou de lado. Em junho passado, por exemplo, votou a favor de projeto que permite à Petrobras vender até 70% de seus direitos na área da chamada “cessão onerosa” do pré-sal, o que o levou a ser chamado de “entreguista” por deputados de esquerda.

A segurança pública foi uma das principais bandeiras de sua atuação parlamentar, defendendo a pena de morte em caso de crime premeditado, a redução da maioridade penal para 16 anos, a liberação do porte de armas para toda a população e o excludente de ilicitude para que policiais não sejam responsabilizados por mortes em serviço.

São dessa seara algumas de suas declarações mais polêmicas. Admirador do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra – chefe do DOI-Codi de São Paulo entre 1970 e 1974 e primeiro militar reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar –, Bolsonaro já defendeu a tortura de suspeitos de sequestro e tráfico de drogas. Na votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff, homenageou Ustra chamando-o de “o pavor de Dilma”. Mais tarde, na mesma sessão, levou uma cusparada do colega Jean Wyllys (Psol-RJ), antigo rival, que historicamente se opôs ao capitão reformado por conta de suas declarações contrárias a homossexuais.

Bolsonaro é réu em duas ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF) pela suposta prática de apologia ao crime e por injúria, em decorrência do episódio em que afirmou que a deputada Maria do Rosário (PT-RS) “não merece” ser estuprada. Mais recentemente, a Corte rejeitou denúncia de racismo contra o parlamentar. Segundo a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), ele ofendeu a população negra e comunidades quilombolas em palestra no Clube Hebraica, no Rio, em 2017.

Na Câmara, ficou mais conhecido pelo que disse – na tribuna e em entrevistas – do que por propostas aprovadas. Embora tenha apresentado mais de 170 projetos de lei, Bolsonaro só conseguiu aprovar dois: um que autoriza o uso da fosfoetanolamina, substância conhecida como “pílula do câncer” mas que não tem eficácia comprovada; e outro que estende a produtos de informática a isenção de IPI. Questionado sobre o pequeno número de aprovações, o deputado costuma dizer que é discriminado por ser um homem de direita.

O histórico de declarações controversas não foi obstáculo para a candidatura de Bolsonaro à presidência. Com uma base de milhões de seguidores em redes sociais, o deputado esteve sempre bem colocado nas pesquisas de intenção de voto desde que se apresentou como postulante ao cargo. A preferência por ele aumentou após o atentado que sofreu em 6 de setembro, em plena campanha eleitoral, durante uma caminhada no centro de Juiz de Fora (MG), quando foi atingido por uma facada.

Colaboraram para a popularidade de Bolsonaro suas ideias de combate à criminalidade e suas posturas no campo dos costumes, como a oposição à chamada ideologia de gênero e ao que classifica de doutrinação nas escolas e a defesa da disciplina militar no ensino. Na área da educação, fez convergir esses temas todos ao atacar o então ministro da Educação Fernando Haddad (PT) – hoje seu oponente na corrida pela Presidência – pelo que batizou de “kit gay”. O material, cujo nome oficial era “Escola sem homofobia”, seria apresentado em sala de aula a alunos a partir dos 11 que cursassem os últimos quatro anos do ensino fundamental e o ensino médio. Criada a polêmica, a então presidente Dilma Rousseff (PT) vetou sua distribuição, mas Bolsonaro desde então usou a questão como plataforma.

Embora esteja há três décadas na política, com passagens por sete partidos antes de ingressar no PSL, o capitão reformado também conseguiu construir uma imagem de candidato “antissistema”, que caiu bem entre um eleitorado desiludido com a política após inúmeros escândalos de corrupção de lado a lado – ele já propôs o fechamento do Congresso, é crítico das negociações entre Executivo e Legislativo e põe sob suspeita as urnas eletrônicas.

Fernando Haddad

Fernando Haddad, 55 anos, é casado com Ana Estela Haddad, com quem tem um filho e uma filha. Filho do libanês Khalil Haddad e da descendente de libaneses Norma Teresa Goussain, nasceu em São Paulo em 25 de janeiro de 1963. Cresceu no bairro Planalto Paulista. Cursou o ensino básico em instituições particulares – o Ateneu Ricardo Nunes e o Colégio Bandeirantes.

Ingressou na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP, em 1981, conciliando os estudos com o trabalho no atacado de tecidos de seu pai. Foi na USP que se interessou pelas obras de Karl Marx e pela Escola de Frankfurt, uma vertente da teoria social formada por cientistas sociais marxistas críticos tanto o capitalismo quanto dos rumos que o socialismo tomou na União Soviética.

O socialismo é tema dos cinco livros que Haddad publicou nas duas décadas seguintes – “O sistema soviético e sua decadência” (1992), “Em defesa do socialismo” (1998), “Desorganizando o consenso” (1998), “Sindicatos, cooperativas e socialismo” (2003) e “Trabalho e linguagem para a renovação do socialismo” (2004).

Ainda na universidade, Haddad começou a atividade política em 1984, quando participou das passeatas e comícios do movimento Diretas Já. Para o Centro Acadêmico XI de Agosto, da USP, apoiou uma chapa batizada de “The Pravda”, que fundia os logotipos dos jornais “The New York Times”, norte-americano, e “Pravda”, russo, além de fazer trocadilho com a palavra “depravada”. Liderada por Eugênio Bucci – que muitos anos depois presidiria a Radiobrás, no governo Lula –, a chapa venceu. Aos 21 anos, Haddad tornou-se tesoureiro do centro acadêmico e sua gestão, elogiada, o levou a suceder Bucci na presidência.

Formado em 1985, tornou-se advogado em 1986. Nos anos seguintes, trabalhou com o cunhado numa empresa de construção e foi analista de investimentos no Unibanco. Cursou mestrado em Economia na USP, concluído em 1990, e em 1996 doutorou-se em Filosofia na mesma universidade. Também na USP, passou a dar aulas no Departamento de Ciência Política a partir de 1997. Em paralelo, trabalhou como consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Haddad ingressou no Poder Executivo em 2001, como chefe de gabinete da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico da prefeitura de São Paulo, no início da gestão de Marta Suplicy. Sob o comando do economista João Sayad, foi um dos encarregados de reequilibrar as contas do município após a desastrosa gestão de Celso Pitta. Uma das soluções foi a reformulação do imposto predial e territorial com a criação do chamado IPTU Progressivo. A arrecadação do município cresceu, mas esse e outros tributos acabaram rendendo à então prefeita o apelido de “Martaxa”, que ela carregou por muitos anos. Segundo estudo do economista Amir Khair, a fração da renda média dos paulistanos destinada à prefeitura saltou de 4,75% para 8,35% durante a gestão da prefeita.

Haddad deixou o cargo na prefeitura na mesma época em que Luiz Inácio Lula da Silva se elegeu presidente da República, mas só foi chamado para o governo federal em meados de 2003, a convite do ministro do Planejamento, Guido Mantega. Como assessor especial, ajudou a formatar a lei das parcerias público-privadas (PPPs). Em 2004, virou secretário-executivo do Ministério da Educação. Assumiu a pasta em julho do ano seguinte, quando o ministro Tarso Genro deixou o governo para assumir a presidência do PT em meio ao escândalo do mensalão.

Haddad foi ministro da Educação por quase sete anos. Deixou o cargo apenas no início de 2012, já no governo Dilma Rousseff. À frente do MEC, Haddad conseguiu a adesão dos 27 governadores e mais de 5,5 mil prefeitos às metas básicas da educação. Criou o Fundeb, fundo para o desenvolvimento da educação básica, em substituição ao Fundef, focado no ensino fundamental. Instituiu o Ideb, que serve de baliza para metas de desempenho das escolas.

Haddad transformou o Enem numa das principais formas de ingresso nas universidades públicas – e na sua maior dor de cabeça. Em 2009 a prova foi roubada da gráfica e vazou. No mesmo ano, um dos gabaritos foi divulgado incorretamente. Em 2010, cartões de resposta apresentaram erro no cabeçalho, e 3,5 mil provas tiveram problemas de impressão, com perguntas repetidas. No seguinte, questões foram canceladas porque alguns alunos tiveram acesso antecipado à prova.

Mais tarde, já no governo Dilma, o ministro se desgastou com o episódio do “Escola sem homofobia”, material que seria apresentado a alunos a partir dos 11 anos e foi apelidado por Jair Bolsonaro – hoje seu oponente na disputa pelo Planalto – de “kit gay”. A repercussão negativa levou o governo a cancelar a distribuição.

LEIA TAMBÉM: 3 estratégias do PT para levar Fernando Haddad ao segundo turno

Por outro lado, Haddad ganhou visibilidade com a criação do Prouni (concessão de bolsas universitárias a estudantes de baixa renda) e a ampliação do Fies (financiamento de estudantes universitários). O Fies, no entanto, deixou uma carga pesada para as contas públicas. O afrouxamento das regras de concessão fez disparar a inadimplência (hoje acima de 50%) e deixou uma conta bilionária para o contribuinte – o programa já custou R$ 81 bilhões para os cofres públicos e deve consumir mais R$ 47 bilhões até 2030 – ao mesmo tempo em que enriqueceu faculdades privadas, que não precisaram mais arcar com o risco de calote.

Apesar dos poréns, a gestão de Haddad na Educação o ajudou a se transformar, em suas próprias palavras, no “segundo poste de Lula”. Em 2012, dois anos depois de o líder petista fazer Dilma Rousseff sua sucessora na Presidência da República, Haddad derrotou José Serra (PSDB) e elegeu-se prefeito de São Paulo.

Sua gestão na prefeitura foi tumultuada. Em junho de 2013, cinco meses após a posse, teve de enfrentar protestos contra o reajuste da tarifa do transporte público que se agigantaram e se espalharam pelo país após a repressão truculenta da Polícia Militar paulista, liderada pelo governador tucano Geraldo Alckmin.

Uma das marcas de Haddad na prefeitura foi a criação de faixas exclusivas de ônibus, a implantação de ciclovias e a redução dos limites de velocidade em vias da cidade. A essas medidas, que incomodaram parte significativa dos paulistanos, se somaram o desgaste provocado pelo segundo mandato de Dilma na Presidência e pelo avanço da Operação Lava Jato sobre o PT. Em 2016, na tentativa de se reeleger, Haddad foi derrotado ainda no primeiro turno pelo tucano João Doria. Recebeu 967 mil votos – menos que brancos e nulos, que somaram mais de 1,1 milhão.

Da gestão na prefeitura de São Paulo, Haddad carrega também processos na Justiça. Em agosto, virou réu em processo de improbidade administrativa relacionado à construção de ciclovias. Em virtude das delações da empreiteira UTC e do doleiro Alberto Yousseff, o ex-prefeito também é réu em ação eleitoral que o acusa de caixa dois. Também foi denunciado pelo Ministério Público em ação civil de improbidade, por supostamente se beneficiar de dinheiro de caixa dois, e em ação criminal, por suposto pedido e recebimento de propina.

Compartilhar
PUBLICIDADE