Tudo sobre as Eleições 2018
PUBLICIDADE
EQUIPE

5 nomes para entender como será o governo Bolsonaro

Núcleos militar e civil marcam divisão entre os principais nomes do governo Bolsonaro

Evandro Éboli
5 nomes para entender como será o governo Bolsonaro
Paulo Guedes, provável ministro da Economia do governo Bolsonaro. Crédito da Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Compartilhar

O governo de Jair Bolsonaro terá, na verdade, dois núcleos. Um civil e um militar. Do lado militar estarão os generais Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa, e o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Outros antigos oficiais estarão no primeiro escalão do governo. Do lado civil, o ministro mais forte do grupo palaciano será o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Na área econômica, outro civil, o comandante será Paulo Guedes. Integra esse grupo mais próximo do presidente, o núcleo duro, o presidente do PSL, Gustavo Bebianno.

Conheça os cinco principais nomes que compõem o núcleo principal do governo Jair Bolsonaro:

General Augusto Heleno

Anunciado Ministro da Defesa, o general comandou as tropas internacionais no Haiti. Tem penetração entre os generais da ativa e será o interlocutor com a caserna. Coordena o grupo de trabalho que traça ações e programas do governo. Era o militar preferido para ser vice de Bolsonaro, mas seu partido, o PRP, vetou a coligação com o PSL. Leia o perfil de Augusto Heleno.

General Hamilton Mourão

Vice-presidente eleito, Mourão não estava entre as preferências de Bolsonaro para compor a chapa. Foi a sétima opção, depois de Magno Malta, general Heleno, Janaína Paschoal, entre outros. Causou sobressaltos na campanha com seu “sincericídio” e fazer declarações polêmicas como defender Constituinte sem participação de parlamentares, criticar o 13º salário, falar em “autogolpe”, entre outras polêmicas. Não quer ser um vice “decorativo” e deseja um gabinete ao lado de Bolsonaro, no terceiro andar do Planalto. Leia o perfil do general Mourão.

Deputado Onyx Lorenzoni

Dissidente dentro do Democratas, o deputado gaúcho conquistou a confiança de Bolsonaro durante o ano. Ele promoveu encontros e almoços de parlamentares em apoio ao capitão e se cacifou ali. Vai comandar a Casa Civil. Foi o relator das dez medidas de combate à corrupção, mas saiu derrotado e criticado por seus colegas, que o acusaram de “fazer o jogo da República de Curitiba”. Admitiu ter recebido R$ 100 mil de caixa 2 da JBS. Leia entrevista exclusiva com Onyx Lorenzoni.


Economista Paulo Guedes

Ficou conhecido na campanha como o “posto Ipiranga”, alcunha que recebeu do próprio Bolsonaro. Admitindo não entender nada de economia, o presidente remetia todas as questões a Guedes, um homem rico, que fundou banco e grupos de investimento. Será o homem forte da economia. Leia o perfil de Paulo Guedes.


Advogado Gustavo Bebianno

Um estranho no ninho político, Bebianno já escreveu artigos em defesa da ditadura. Não esconde sua admiração pelo presidente e já declarou ter um “amor hétero” por Bolsonaro. Ganhou prestígio com o presidente durante a definição política do então candidato. Ajudou a definir o partido a ser filiado. Polêmico, criou arestas dentro do grupo e foi apontado como um centralizador. Leia o perfil de Gustavo Bebianno.

As principais notícias do dia no seu celular

Ouça os editoriais da Gazeta do Povo no seu celular. Receba uma seleção com as principais notícias da manhã e da noite de segunda a sexta-feira.

Editoriais Gazeta do Povo

Entrar no grupo

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Editoriais Gazeta do Povo

Entrar no canal

Editoriais Gazeta do Povo

Cadastre-se

Compartilhar
PUBLICIDADE