Ideologia de Gênero: estudo do American College of Pediatricians

A Gazeta do Povo publica com exclusividade, pela primeira vez em português, a íntegra do mais importante estudo sobre ideologia de gênero na medicina: disforia de gênero, condições médicas e protocolos de tratamento.

Autor: Michelle Cretella, MD (autor principal)

Publicado em:

Atualizado em:

Ilustração: Osvalter Urbinati/Infografia/Gazeta do Povo

Em agosto de 2016, o American College of Pediatricians (ACPeds) publicou um estudo, assinado pela presidente da associação, a doutora Michelle Cretella, analisando a literatura médica sobre disforia de gênero e as bases científicas dos atuais protocolos para o tratamento dessa condição, principalmente em relação a crianças e adolescentes. A partir de uma extensa análise dos dados, o relatório conclui pela falta de evidências científicas sólidas para recomendar tratamentos invasivos, como os bloqueios hormonais em crianças e adolescentes, cujos efeitos ainda são em grande parte desconhecidos ou, em muitos casos, prejudiciais.

Fundado em 2002 por dissidentes da American Academy of Pediatrics (AAP) descontentes com os rumos ideológicos da tradicional associação, o College aponta e detalha a existência de uma verdadeira ideologia de gênero por trás das mudanças na compreensão médica sobre o fenômeno da disforia de gênero e aponta para os perigos de mudanças bruscas sem pesquisas sólidas que as recomendem.

A Gazeta do Povo publica com exclusividade, pela primeira vez em português, a íntegra do documento:

Resumo

A disforia de gênero (DG) na infância é uma condição psicológica em que as crianças sentem uma incongruência nítida entre o gênero que sentem ter e o gênero associado a seu sexo biológico. Na imensa maioria dos casos em que isso ocorre na criança pré-adolescente, a DG se resolve até o final da adolescência. Existe hoje uma discussão intensa, embora suprimida, entre médicos, terapeutas e acadêmicos em torno do que está rapidamente se tornando o novo tratamento padronizado da DG em crianças. Esse novo paradigma se baseia na premissa de que a DG é algo inato; ele envolve a supressão da puberdade com agonistas do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), seguida pelo uso de hormônios do sexo oposto – uma combinação que resulta na esterilidade de menores. Uma revisão da literatura atual sugere que esse protocolo se baseia em uma ideologia de gênero não científica, que ele carece de uma base de evidências e que viola o princípio ético duradouro de “em primeiro lugar, nunca causar dano ou mal”.

Neste relatório você encontra:

A disforia de gênero em crianças: esta discussão transcende a ciência 

“Gênero” é um termo que alude às características psicológicas e culturais associadas ao sexo biológico.[1] É um conceito psicológico e um termo sociológico, não biológico. A identidade de gênero diz respeito à consciência que um indivíduo tem de ser homem ou mulher e às vezes é descrito como o “gênero vivido” do indivíduo. A disforia de gênero (DG) na infância é um termo que descreve uma condição psicológica na qual a criança sente uma incongruência nítida entre o gênero que ela sente ter e o gênero associado a seu sexo biológico. Essas crianças frequentemente manifestam a crença de que são do sexo oposto.[2] O índice de prevalência de DG entre crianças é estimado em menos de 1%.[3] Os índices de meninos e meninas encaminhados a clínicas especializadas variam segundo a idade. Nas crianças pré-adolescentes, a razão entre meninos e meninas varia entre 2:1 e 4,5:1. Entre adolescentes, a razão entre pessoas de ambos os sexos é quase igual; entre adultos, a razão entre homens e mulheres varia entre 1:1 e 6,1:1.[3].

A discussão sobre o tratamento a dar a crianças com DG é sobretudo de natureza ética: ela diz respeito tanto à visão de mundo do médico quanto à ciência. A medicina não ocorre em um vácuo moral; toda ação ou inação terapêutica é fruto de um julgamento moral de alguma espécie que nasce da visão de mundo filosófica do médico. A medicina tampouco ocorre em um vácuo político, e estar do lado errado da política sexual pode encerrar consequências graves para indivíduos que defendem a posição politicamente incorreta.

A título de exemplo, o Dr. Kenneth Zucker, reconhecido há muito tempo como a maior autoridade em questões de gênero em crianças, também é e sempre foi defensor dos direitos dos gays e transgêneros. Contudo, para a grande consternação dos ativistas adultos em favor dos transgêneros, Zucker acredita que as crianças pré-adolescentes com disforia de gênero são mais beneficiadas quando as ajudamos a alinhar sua identidade de gênero com seu sexo anatômico. Essa posição acabou lhe custando o cargo de diretor, que ele ocupava havia 30 anos, da Clínica Infantil, Juvenil e Familiar de Identidade de Gênero (GIC) do Centro de Adição e Saúde Mental, em Toronto.[4],[5]

Muitos críticos da supressão da puberdade defendem uma visão de mundo teleológica moderna. Para eles, é autoevidente que existe uma intenção proposital na natureza humana e que a cooperação com essa intenção leva ao desabrochamento humano. Outros, contudo, se identificam como pós-modernistas que rejeitam a teleologia. O que une os dois grupos é uma interpretação tradicional da máxima de “em primeiro lugar, nunca causar dano ou mal”. Por exemplo, existe uma comunidade online crescente de médicos, profissionais de saúde mental e acadêmicos que defendem os gays e possuem uma página na internet intitulada “First, do no harm: youth gender professionals”. Eles escrevem:

Estamos preocupados com a tendência atual a rapidamente diagnosticar e afirmar crianças e adolescentes como transgêneros, frequentemente direcionando-os para a transição médica. […] Consideramos que cirurgias e/ou tratamentos hormonais desnecessários, cuja segurança de longo prazo ainda não foi comprovada, representam riscos importantes para crianças e adolescentes. Políticas públicas que incentivam – direta ou indiretamente – esse tratamento médico para crianças ou adolescentes que podem não ser capazes de avaliar seus riscos e benefícios são altamente suspeitos, em nossa opinião.[6]

Contrastando com isso, os proponentes do paradigma intervencionista médico também são pós-modernistas, mas têm uma visão subjetiva do “em primeiro lugar, nunca causar dano ou mal”. A Dra. Johanna Olson Kennedy, hebiatra do Hospital Infantil Los Angeles e líder das transições de gênero pediátricas, já afirmou que “[em primeiro lugar, nunca causar dano ou mal] é realmente subjetivo. Historicamente, estamos vindo de uma perspectiva altamente paternalista […] em que os médicos realmente recebem o privilégio de decidir o que fará ou não fará o mal. E, no mundo do gênero, isso é realmente problemático.”[7] Não apenas ela afirma que “em primeiro lugar, nunca causar dano ou mal” é subjetivo, como mais adiante ela também afirma que deve ser deixado a cargo da criança decidir o que constitui dano ou mal, com base em seus próprios pensamentos e sentimentos subjetivos.[7] Dada a imaturidade cognitiva e de experiência da criança e do adolescente, o American College of Pediatricians (o College) considera essa posição altamente problemática e antiética.

 A disforia de gênero como fruto de uma identidade interna sexuada inata 

O professor de assistência social Dr. William Brennan escreveu que “o poder que a linguagem possui de colorir nossa visão da realidade é profundo”.[8] É por essa razão que a engenharia linguística sempre precede a engenharia social, mesmo na medicina. Muitos têm a visão equivocada de que o gênero, no passado, significava sexo biológico. Embora os termos frequentemente sejam usados de modo intercambiável, eles nunca foram verdadeiros sinônimos. [9],[10]. As feministas do final dos anos 1960 e da década de 1970 usavam o termo “gênero” para se referir a um “sexo social” da pessoa, que poderia diferir de seu “sexo biológico”, para superar a discriminação injusta das mulheres, que tinha raízes em estereótipos sexuais. Essas feministas são as grandes responsáveis por terem generalizado o uso da palavra “gênero” em lugar de “sexo”. Mais recentemente, em um esforço para eliminar a heteronormatividade, os teóricos queer ampliaram o gênero de modo a abranger mais de 50 categorias, fundindo o conceito de um sexo social com as atrações sexuais.[9] Mas nenhum dos usos reflete o sentido original do termo.

Entre 80% e 95% das crianças e adolescentes com disforia de gênero aceitam seu sexo biológico até o final da adolescência
A maioria das crianças aceita seu sexo biológico até o final da adolescência

Antes da década de 1950, o gênero se aplicava apenas à gramática, não às pessoas.[9],[10] As línguas de origem latina classificam os substantivos e seus qualificadores como masculinos ou femininos, e por essa razão essas palavras ainda são descritas como tendo um gênero. Isso mudou nas décadas de 1950 e 1960, quando os sexólogos perceberam que sua agenda de redesignação sexual não poderia ser defendida suficientemente usando os termos “sexo” e “transexual”. Do ponto de vista puramente científico, os seres humanos possuem um sexo biologicamente determinado e diferenças sexuais inatas. Nenhum sexólogo pode mudar os genes de uma pessoa através de hormônios e cirurgia. A troca de sexo é objetivamente impossível.

A solução encontrada pelos sexólogos foi apropriar-se da palavra “gênero” e atribuir a ela um novo sentido que se aplicava às pessoas. John Money, PhD, foi um dos mais destacados desses sexólogos que redefiniram o gênero para que significasse “a atuação sexual indicativa de uma identidade interna sexuada’.[10] Essencialmente, esses sexólogos inventaram a fundamentação ideológica necessária para justificar seu tratamento do transexualismo com cirurgias de redesignação sexual e chamaram a isso de gênero. É essa ideologia fabricada pelo homem de uma “identidade interna sexuada” que hoje domina a medicina, a psiquiatria e o mundo acadêmico. Esta história linguística deixa claro que o gênero não é e nunca foi uma realidade biológica ou científica. Em vez disso, o gênero é um conceito social e politicamente construído.

Em seu estudo “Overview of Gender Development and Gender Nonconformity in Children and Adolescents” (Panorama geral do desenvolvimento de gênero e da inconformidade de gênero em crianças e adolescentes), Forcier e Olson-Kennedy rejeitam o modelo binário da sexualidade humana, descrevendo-a como uma “ideologia”, e apresentam uma “visão alternativa” da “identidade de gênero inata”, que se apresenta ao longo de um ”contínuo de gênero”. Eles recomendam que os pediatras digam aos pais que o “gênero verdadeiro” da criança é aquele que a criança sente que é, porque “o cérebro e o corpo da criança podem não estar em sintonia”.[11]

A alegação feita por Forcier e Olson-Kennedy de uma discordância inata entre o cérebro e o corpo de uma criança vem de imagens de difusão por ressonância magnética que demonstram que o aumento da testosterona em meninos na puberdade aumenta o volume de substância branca, além de estudos dos cérebros de adultos que se identificam como transgêneros. Um estudo de Rametti e colegas constatou que a microestrutura de substância branca dos cérebros de adultos transexuais de mulher a homem (MaH) que ainda não haviam iniciado tratamento com testosterona era mais semelhante à de homens que à de mulheres.[12] Outros estudos com imagens de difusão por ressonância magnética concluíram que a microestrutura de substância branca nos transexuais MaH e homem a mulher (HaM) está a meio caminho entre os de mulheres e homens genéticos.[13]

Do ponto de vista puramente científico, os seres humanos possuem um sexo biologicamente determinado e diferenças sexuais inatas. Nenhum sexólogo pode mudar os genes de uma pessoa através de hormônios e cirurgia
Seres humanos possuem um sexo biologicamente determinado e diferenças sexuais inatas

Mas esses estudos têm significado clínico questionável, devido ao número pequeno de sujeitos e à existência de neuroplasticidade. Este é um fenômeno fartamente constatado em que comportamentos de longo prazo modificam a microestrutura cerebral. Não há evidências de que as pessoas nasçam com microestruturas cerebrais que são imutáveis para sempre, mas há evidências importantes de que a experiência modifica a microestrutura cerebral.[14] Portanto, se e quando forem identificadas diferenças válidas nos cérebros de transgêneros, é provável que elas serão um fruto do comportamento transgênero, não sua causa. O que é mais importante, contudo, é o fato de que os cérebros de todos os bebês do sexo masculino são masculinizados antes do nascimento por sua própria testosterona endógena, que é liberada por seus testículos a partir de aproximadamente oito semanas de gestação. As bebês meninas não possuem testículos, é claro, logo não têm seus cérebros masculinizados por testosterona endógena. [15],[16],[17] Por essa razão, tirando a hipótese de uma das raras desordens de desenvolvimento sexual (DDSs), os meninos não nascem com cérebro feminizado e as meninas não nascem com cérebro masculinizado.

Os geneticistas comportamentais sabem há décadas que, enquanto genes e hormônios influenciam o comportamento, eles não predeterminam que uma pessoa tenha que pensar, sentir-se ou se comportar de determinada maneira. A ciência da epigenética constatou que os genes não são análogos a “modelos” rígidos de comportamento. Na realidade, os humanos “desenvolvem características através do processo dinâmico de interação entre genes e ambiente (…) [os genes por si sós] não determinam quem somos.”[18] Com relação à etiologia do transgenerismo, estudos de gêmeos feitos com transexuais adultos provam definitivamente que a influência genética e hormonal pré-natal é mínima.

Estudos de gêmeos são instrumentais para elucidar o grau em que uma característica é biologicamente determinada antes do nascimento. Como os gêmeos monozigóticos são concebidos com exatamente o mesmo DNA e são expostos ao mesmo ambiente pré-natal, as características que são determinadas unicamente pelos genes e/ou o ambiente pré-natal se manifestam 100% do tempo em ambos os gêmeos idênticos. A raça é um exemplo de uma característica que gêmeos idênticos compartilham 100% do tempo porque é determinada exclusivamente pelos genes.

O maior estudo de transexuais realizado com gêmeos até agora examina 110 pares de gêmeos e foi publicado pelo Dr. Milton Diamond na edição de maio de 2013 do International Journal of Transgenderism. [19] A Tabela 5 documenta que o número de pares de gêmeos monozigóticos concordantes para o transexualismo é maior que o de pares de gêmeos dizigóticos. Isso sugere uma possível predisposição biológica à disforia de gênero. Mas o dado mais significativo do estudo é o número pequeno de pares de gêmeos monozigóticos concordantes (ou seja, em que ambos sejam transexuais). Apenas 21 pares de gêmeos monozigóticos de um total de 74 pares monozigóticos (ou seja, 28%) foram concordantes em transexualismo; os 72% restantes dos gêmeos idênticos foram discordantes em transexualismo. Isso significa que pelo menos 72% dos fatores responsáveis pelo transexualismo em um gêmeo e não no outro ocorrem após nascimento e não são biológicos.

Um índice tão alto de discordância entre gêmeos idênticos prova que ninguém nasce predeterminado a apresentar disforia de gênero e muito menos a identificar-se como transgênero ou transexual. Isso condiz com o índice muito alto de resolução da disforia de gênero documentado entre crianças e adolescentes quando não foram incentivadas a fazer-se passar por pessoas do sexo oposto. O baixo índice de concordância também respalda a teoria de que a DG persistente se deve principalmente ao impacto de influências ambientais não compartilhadas sobre certas crianças biologicamente vulneráveis. Para que fique claro, bastam os estudos com gêmeos para esclarecer que a “perspectiva alternativa” de uma “identidade de gênero inata” que teria origem em cérebros “feminilizados” ou “masculinizados” presos no corpo errado é, de fato, uma crença ideológica que não tem base na ciência rigorosa.

Já uma visão teleológica binária da sexualidade humana é compatível com a realidade biológica. A regra é que o organismo humano seja concebido como masculino ou feminino. Os pares de cromossomos sexuais “XY” e “XX” são determinantes genéticos do sexo, respectivamente masculino e feminino. Não são marcadores genéticos de um corpo desordenado ou um defeito de nascimento. A sexualidade binária é binária por sua própria concepção, sendo a finalidade a reprodução de nossa espécie. Esse princípio é autoevidente. Tirando uma das raras desordens do desenvolvimento sexual (DDSs), nenhum bebê tem um sexo ou gênero “atribuído” a ele ao nascer; pelo contrário, o sexo visto no nascimento se declara “in utero” e é claramente evidente e reconhecido no nascimento.

As raríssimas DDSs, que incluem mas não se limitam à síndrome da insensibilidade androgênica e hiperplasia adrenal congênita, são todas desvios medicamente identificáveis da normalidade sexual binária humana. Diferentemente dos indivíduos com genótipo e eixo hormonal normais que se identificam como “transgêneros”, as pessoas com DDS possuem uma condição biológica inata. A designação sexual de indivíduos com DDS é complexa e depende de uma variedade de fatores genéticos, hormonais e físicos. Mesmo assim, a declaração consensual de 2006 da Intersex Society of North America não endossou a DSD como um terceiro sexo.[20]

Fatores pós-natais predominam no desenvolvimento e persistência da DG 

Estudos realizados com gêmeos idênticos demonstram que eventos pós-natais não compartilhados (ou seja, fatores ambientais) predominam no desenvolvimento e persistência da disforia de gênero. Isso não surpreende, já que é amplamente aceito que o desenvolvimento emocional e psicológico da criança é influenciado por experiências positivas e negativas da primeira infância em diante. Os relacionamentos familiares e com pares, a escola e o bairro, a experiência de qualquer tipo de abuso, a exposição à mídia, doenças crônicas, guerra e desastres naturais, todos esses são exemplos de fatores ambientais que impactam o desenvolvimento emocional, social e psicológico do indivíduo. Não existe uma dinâmica familiar única, situação social, acontecimento adverso ou combinação dos fatores anteriores que se tenha descoberto que destine qualquer criança a desenvolver DG. Esse fato, somado aos estudos com gêmeos, sugere que existem muitos caminhos que podem levar à DG em certas crianças biologicamente vulneráveis.

A “perspectiva alternativa” de uma “identidade de gênero inata” que teria origem em cérebros “feminilizados” ou “masculinizados” presos no corpo errado é, de fato, uma crença ideológica que não tem base na ciência rigorosa
Crença ideológica que não tem base na ciência rigorosa

A literatura especializada sobre a etiologia e o tratamento psicoterapêutico de DG infantil é fundamentada fortemente em estudos de casos clínicos. Esses estudos sugerem que o reforço social, a psicopatologia parental, a dinâmica familiar e o contágio social facilitado pela mídia convencional e as redes sociais, tudo isso contribui para o desenvolvimento e/ou persistência de DG entre algumas crianças e adolescentes vulneráveis. É possível que existam outros fatores ainda não reconhecidos que contribuam para isso, também.

A maioria dos pais de crianças com DG se recorda que sua reação inicial ao ver seu filho vestir roupas do sexo oposto e apresentar outros comportamentos do sexo oposto foi de tolerância e/ou incentivo. Às vezes, a psicopatologia parental está à raiz do reforço social. Por exemplo, um pequeno subgrupo das mães de meninos com DG que tinham desejado ter filhas meninas sofreu algo que foi descrito como “tristeza patológica de gênero”. Dentro desse subgrupo, o desejo da mãe de ter tido uma filha foi exteriorizado com a mãe vestindo seu filho como menina. Essas mães geralmente sofriam de depressão grave que era aliviada quando seus filhos se vestiam e agiam de maneira feminina.[21]

Um grande conjunto de literatura clínica documenta que pais de meninos femininos relatam passar menos tempo com seus filhos de 2 a 5 anos, comparados aos pais de meninos do grupo de controle. Isso condiz com dados que revelam que meninos femininos sentem mais proximidade com sua mãe que com seu pai. Em seus estudos clínicos de meninos com DG, Stoller observou que a maioria tem um relacionamento muito íntimo com sua mãe e um relacionamento distante e periférico com seu pai. Ele postulou que a DG em meninos é “uma suspensão do desenvolvimento (…) em que uma simbiose mãe-filho pequeno excessivamente estreita e gratificante, não perturbada pela presença do pai, impede o menino de separar-se adequadamente do corpo e comportamento feminino de sua mãe.”[21]

Já foi constatado também que, entre crianças com DG, o índice de psicopatologia materna, especialmente de depressão e transtorno bipolar, é “alto segundo qualquer padrão”. Além disso, a maioria dos pais de meninos com DG sente-se ameaçada facilmente, manifesta dificuldade com a regulação de seus afetos e possui um senso interno de inadequação. Esses pais geralmente lidam com seus conflitos dedicando-se excessivamente ao trabalho ou distanciando-se de sua família de outra maneira. Frequentemente os pais não se dão apoio mútuo e têm dificuldade em resolver seus conflitos conjugais. Isso produz um ambiente intensificado de conflito e hostilidade. Nessa situação, o menino fica cada vez mais inseguro em relação a seu próprio valor, devido à raiva ou à apatia da mãe e ao fato de seu pai não interceder. A ansiedade e insegurança do menino se intensificam, assim como sua raiva, e tudo isso pode resultar em sua incapacidade de identificar-se com seu próprio sexo biológico.[22]

Não há estudos sistemáticos sobre meninas com DG e o relacionamento entre pais e filha. Contudo, observações clínicas sugerem que o relacionamento entre mãe e filha mais frequentemente é distante e marcado por conflitos, algo que pode levar a filha a desidentificar-se com a mãe. Em outros casos, a masculinidade é elogiada por seus pais, enquanto a feminilidade é desvalorizada. Já houve casos, também, em que filhas têm medo do pai, que pode manifestar raiva explosiva em relação à mãe, chegando à violência física. Uma menina pode apreender o fato de ser mulher como algo que não lhe garante segurança e defender-se contra isso sentindo que na realidade ela é menino, acreditando subconscientemente que, se fosse menino, seria amada por seu pai e não seria alvo de sua raiva.[21]

Há evidências de que psicopatologias e/ou diversidades de desenvolvimento podem precipitar a DG entre adolescentes, especialmente entre mulheres jovens. Pesquisas recentes documentaram um número crescente de adolescentes que comparecem a clínicas de identidade de gênero de adolescentes e pedem redesignação sexual (RS). Kaltiala-Heino e colegas procuraram descrever os candidatos adolescentes à redesignação sexual legal e médica durante os dois primeiros anos de funcionamento de uma clínica de identidade de gênero de adolescentes na Finlândia, em termos de fatores sociodemográficos, psiquiátricos e de identidade de gênero e de desenvolvimento adolescente. Eles realizaram uma revisão retrospectiva quantitativa estruturada e uma análise qualitativa dos estudos de caso de todos os candidatos adolescentes à RS que entraram para avaliação até o final de 2013. Constataram que o número de encaminhamentos superou as expectativas, à luz do conhecimento epidemiológico. Entre os candidatos à redesignação sexual se verificou um predomínio marcante de adolescentes nascidas meninas. Eram comuns os casos de psicopatologias graves que antecederam a manifestação da DG. Muitos dos jovens estavam no espectro do autismo. Essas descobertas não correspondem à imagem comumente aceita de um adolescente ou criança com disforia de gênero. Os pesquisadores concluíram que as diretrizes de tratamento precisam avaliar a DG em menores de idade no contexto de dificuldades psicopatológicas e de desenvolvimento graves.[23]

Segundo evidências anedóticas, existe também uma tendência crescente entre adolescentes de se autodiagnosticarem como transgênero depois de passar períodos prolongados em sites de mídia social como Tumblr, Reddit e YouTube. Isso sugere que o contágio social também pode ser um fator em jogo. Em muitas escolas e comunidades, grupos inteiros de pares estão “saindo do armário” como transgêneros ao mesmo tempo.[6] Finalmente, merece ser investigada uma ligação causal entre acontecimentos adversos na infância, incluindo abuso sexual, e o transgenerismo. É reconhecido há muito tempo que existe uma coincidência entre discordância de gênero na infância e orientação homossexual na idade adulta.[24] Existe também um grande conjunto de artigos da literatura especializada que documenta uma prevalência maior de eventos adversos na infância e abuso sexual entre adultos homossexuais, em comparação com adultos heterossexuais. Andrea Roberts e colegas publicaram em 2013 um estudo que constatou que “entre metade e todo o risco elevado de abuso infantil entre pessoas com sexualidade homossexual, comparadas a heterossexuais, se deve aos efeitos do abuso sobre a sexualidade”.[25] É possível, portanto, que alguns indivíduos desenvolvam DG e mais tarde reivindiquem identidade transgênero em consequência de maus-tratos e/ou abuso sexual sofridos na infância. Esta é uma área que precisa ser estudada.

A disforia de gênero como um transtorno mental objetivo 

A psicologia vem rejeitando cada vez mais o conceito de normas para a saúde mental, focalizando, em vez disso, o sofrimento emocional. A American Psychiatric Association (APA), por exemplo, explica, na quinta edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-5 – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), que a DG consta do manual não devido à discrepância entre os pensamentos do indivíduo e a realidade física, mas devido à presença de sofrimento emocional que dificulta seu funcionamento social. O DSM-5 também observa que é preciso um diagnóstico para que os planos de saúde paguem por hormônios do sexo oposto e cirurgia de redesignação sexual (CRS) para aliviar o sofrimento emocional causado pela DG. Uma vez aliviado o sofrimento, a DG deixa de ser considerada um transtorno.[2]

Esse raciocínio é problemático. Considere os seguintes exemplos: uma garota com anorexia nervosa acredita de maneira fixa e equivocada que é obesa; uma pessoa com transtorno dismórfico corporal (TDC) tem a convicção errônea de que é feia; uma pessoa com transtorno de identidade de integridade corporal (TIIC) se identifica como deficiente física e sente-se presa em um corpo plenamente funcional. Indivíduos com TIIC frequentemente se sentem tão aflitos com seu corpo plenamente funcional que procuram amputar cirurgicamente seus braços ou pernas saudáveis ou cortar sua medula espinhal.[26] A Dra. Anne Lawrence, que é transgênero, já argumentou que o TIIC possui muitos paralelos com a DG.[27] Assim como a DG, as crenças falsas acima citadas não apenas geram sofrimento emocional para o indivíduo como põem sua vida em risco. Em cada caso, uma cirurgia para “afirmar” a premissa falsa (liposucção para a anorexia, cirurgia plástica para o TDC, amputação ou paraplegia cirurgicamente induzida para o TIIC) pode muito bem aliviar o sofrimento emocional da pessoa, mas não ajudará em nada a resolver o problema psicológico subjacente e pode ter como consequência a morte do paciente. Se for completamente desligada da realidade física, a arte da psicoterapia vai perder espaço, à medida que o campo da psicologia se converterá cada vez mais em uma especialidade médica intervencionista, com resultados devastadores para os pacientes.

Existe uma tendência crescente entre os adolescentes de se autodiagnosticarem como transgenero depois de passar períodos prolongados em sites de mídia social como tumblr, reddit e youtube
Adolescentes se autodiagnosticam transgênero após passarem muito tempo em sites de mídia social

A alternativa seria buscar definir um padrão mínimo. A normalidade já foi definida como “aquilo que funciona conforme seu desígnio”.[28] Uma das principais funções do cérebro é apreender a realidade. Os pensamentos que estão em conformidade com a realidade física são normais. Os pensamentos que se desviam da realidade física são anormais – além de potencialmente serem nocivos ao indivíduo ou a outros. Isso é fato quer ou não o indivíduo que possui os pensamentos anormais sinta sofrimento. Quando uma pessoa acredita que é algo ou alguém que não é, trata-se, na melhor das hipóteses, de pensamento confuso, e, na pior, de uma ilusão, algo irreal. O simples fato de uma pessoa pensar ou sentir alguma coisa não faz com que essa coisa seja realidade. Isso seria fato mesmo que os pensamentos anormais fossem biologicamente “predeterminados”.

O normal no desenvolvimento humano é que os pensamentos do indivíduo se alinhem com a realidade física; que a identidade de gênero do indivíduo corresponda a seu sexo biológico. As pessoas que dizem “sentir-se como se fossem do sexo oposto” ou “sentir-se em algum ponto intermediário” ou alguma outra categoria não formam um terceiro sexo. Elas continuam a ser homens ou mulheres, em termos biológicos. A disforia de gênero é um problema que está na mente, não no corpo. Crianças e adolescentes com DG não possuem um corpo desordenado, mesmo que seja isso o que sentem. Do mesmo modo, a aflição de uma criança diante do desenvolvimento das características sexuais secundárias não significa que a puberdade deva ser vista como uma doença a ser interrompida, porque a puberdade não é, na realidade, uma doença. Do mesmo modo, embora muitos homens com DG expressem a ideia de que são “uma essência feminina” presa em um corpo de homem, essa crença não possui base científica.

Até pouco tempo atrás, a visão de mundo prevalecente com relação à DG infantil era que ela refletia um pensamento anormal ou confusão por parte da criança, algo que pode ou não ser transitório. Consequentemente, a abordagem padrão consistia ou em observar e aguardar ou em procurar psicoterapia familiar e individual.[1],[2] Os objetivos da terapia eram tratar a patologia familiar, se estivesse presente, tratar quaisquer morbidezes psicossociais na criança e ajudar a criança a alinhar sua identidade de gênero com seu sexo biológico.[21],[11] Especialistas de ambos os lados do debate sobre a supressão da puberdade concordam que, nesse contexto, entre 80% e 95% das crianças e dos adolescentes com DG aceitam seu sexo biológico até o final da adolescência.[29] Essa visão de mundo começou a mudar, contudo, quando os ativistas transgêneros adultos passaram cada vez mais a promover a narrativa da “essência feminina”, visando conquistar aceitação social.[10] Em 2007, no mesmo ano em que o Boston Children’s Hospital abriu a primeira clínica pediátrica de gênero, o Dr. J. Michael Bailey escreveu:

A visão cultural predominante hoje do transexualismo de homem a mulher é que todos os transexuais homens a mulher (HaM) são, em essência, mulheres presas dentro de um corpo de homem. Essa visão tem pouca base científica, porém, e não condiz com as observações clínicas. Ray Blanchard demonstrou que existem dois subtipos distintos de transexuais HaM. Os membros de um dos subtipos, os transexuais homossexuais, podem ser entendidos melhor como um tipo de homem homossexual. Os membros do outro subtipo, o dos transexuais autoginefílicos, são motivados pelo desejo erótico de tornar-se mulheres. Embora seja explicável, a persistência da visão cultural predominante é prejudicial à ciência e a muitos transexuais.[30]

Com a persistência da visão da chamada “essência feminina”, o sofrimento de adultos transgêneros foi evocado para defender que as crianças fossem resgatadas com urgência do mesmo destino, através da identificação precoce, afirmação e supressão da puberdade. Hoje se alega que a discriminação, violência, psicopatologia e suicídio são consequências diretas e inevitáveis de se negar a afirmação social a uma criança com disforia de gênero e impedir seu acesso a bloqueadores de puberdade ou hormônios do sexo oposto.[31] No entanto, o fato de que de 80% a 95% dos adolescentes com disforia de gênero emergem física e psicologicamente intactos depois de passarem pela puberdade sem afirmação social refuta essa visão.[29] Ademais, mais de 90% das pessoas que morrem de suicídio têm uma doença mental diagnosticada.[32] Não há evidências de que crianças e adolescentes com disforia de gênero que cometem suicídio sejam diferentes. Por essa razão, a base para a prevenção do suicídio deve ser a mesma para eles quanto é para todas as crianças e os adolescentes: identificação e tratamento precoce de co-morbidezes psicológicas.

Apesar disso, existem hoje nos Estados Unidos 40 clínicas de gênero que promovem a supressão da puberdade e tratam crianças e adolescentes com hormônios do sexo oposto. A lógica da supressão da puberdade é dar à criança com disforia de gênero tempo para explorar sua identidade de gênero sem o sofrimento emocional desencadeado pelo surgimento das características sexuais secundárias. Os padrões seguidos nessas clínicas se baseiam em “opiniões especializadas”. Não existe um único estudo controlado grande e randomizado que documente os alegados benefícios e potenciais danos da supressão da puberdade e de décadas de tratamento hormonal dados a crianças e adolescentes com disforia de gênero. Tampouco existe um único estudo grande, randomizado, controlado e de longo prazo que compare os resultados de diversas intervenções psicoterapêuticas em casos de DG infantil com os resultados da supressão da puberdade seguida por décadas de ingestão de esteroides sintéticos tóxicos. Em nossa era atual de “medicina baseada em evidências”, esse fato deveria fazer todos pararem para refletir. Um fato mais preocupante é que a supressão da puberdade no estágio 2 da escala de Tanner (geralmente aos 11 anos de idade), seguida pelo uso de hormônios do sexo oposto, deixará essas crianças estéreis e sem tecido gonadal ou gametas disponíveis para crio-preservação.[33],[34],[35]

Em vista do fenômeno amplamente constatado da neuroplasticidade, o comportamento reiterado de fazer-se passar pelo sexo posto vai alterar de alguma maneira a estrutura e função do cérebro da criança
Passar pelo sexo posto vai alterar de alguma maneira a estrutura e função do cérebro da criança

A neurociência documenta claramente que o cérebro adolescente é cognitivamente imaturo e, antes de a pessoa chegar a entre o início e meados da casa dos 20 anos, não possui a capacidade adulta necessária para fazer uma avaliação de riscos.[36] Existe um problema ético sério em permitir que sejam realizados procedimentos irreversíveis e que transformam a vida em menores de idade que são jovens demais para poderem dar um consentimento válido eles próprios. Essa exigência ética do consentimento informado é fundamental para a prática da medicina, conforme enfatiza o site do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA: “O consentimento voluntário do sujeito humano é absolutamente essencial”.[37] Ademais, quando um indivíduo é esterilizado, mesmo quando isso ocorre como consequência secundária de uma terapia, sem ter dado seu consentimento pleno, livre e informado, ocorre uma violação da lei internacional.[38]

O protocolo que afirma a transgeneridade: qual é a base de evidências 

Nas duas últimas décadas, a Hayes Inc. tornou-se uma firma de pesquisas e consultoria internacionalmente reconhecida que avalia uma ampla gama de tecnologias médicas para determinar seu impacto sobre a segurança dos pacientes, seus resultados sobre a saúde dos pacientes e a utilização de recursos. A empresa realizou uma revisão e avaliação abrangente da literatura científica sobre o tratamento da DG em adultos e crianças em 2014. Ela concluiu que “embora evidências sugiram benefícios positivos” das cirurgias de redesignação sexual em adultos com disforia de gênero, “limitações sérias [inerentes à pesquisa] permitem apenas conclusões fracas”.[39] A Hayes Inc. considerou o uso de hormônios do sexo oposto em adultos com disforia de gênero como sendo baseado em evidências de qualidade “muito baixa”:

Estudos múltiplos não demonstraram melhorias estatisticamente significativas para a maioria dos resultados. As evidências sobre qualidade de vida e função em adultos homem a mulher (HaM) foram muito esparsas. As evidências em favor de medidas menos abrangentes de bem-estar em adultos que receberam terapia hormonal do sexo oposto foram diretamente aplicáveis a pacientes com DG, mas muito esparsas e/ou conflitantes. Os estudos não permitem conclusões de causalidade e, em sua maioria, tiveram fraquezas em sua execução. Há riscos de saúde potencialmente de longo prazo associados à terapia hormonal, mas nenhum deles foi comprovado ou excluído conclusivamente.[40]

Com relação ao tratamento de crianças com DG usando agonistas do hormônio liberador da gonadotrofina (GnRH) e hormônios do sexo oposto, a Hayes, Inc. atribuiu sua nota mais baixa, indicando que a literatura especializada “é escassa demais e os estudos existentes são demasiado limitados para sugerir conclusões.”[40]

Clínicas de gênero se multiplicam nos Estados Unidos, a despeito da falta de evidências médicas 

Em 2007, o Dr. Norman Spack, endocrinologista pediátrico e fundador da primeira clínica de gênero do país, no hospital Boston Children’s, lançou o paradigma da supressão da puberdade nos Estados Unidos.[41] Ela consiste em primeiramente afirmar o autoconceito falso da criança, instituindo mudanças de nome e pronome e ajudando a criança a fazer-se passar por uma pessoa do sexo oposto, dentro e fora de sua casa. Em seguida, a puberdade em crianças com apenas 11 anos é suprimida com agonistas do GnRH, e finalmente, aos 16 anos, os pacientes podem começar a tomar hormônios do sexo oposto, preparando-se para a cirurgia de redesignação sexual quando chegarem à idade adolescente mais velha ou à idade adulta.[42] As diretrizes da Sociedade de Endocrinologia hoje proíbem o uso de hormônios do sexo oposto antes dos 16 anos de idade, mas essa proibição está sendo revista.[43] Alguns especialistas de gênero já estão passando ao largo da supressão da puberdade e, em vez disso, encaminhando crianças com apenas 11 anos diretamente ao tratamento com hormônios do sexo oposto.[44] A explicação apresentada é que a criança passará pelo desenvolvimento púbere do sexo desejado e, com isso, poderá evitar o sofrimento emocional iatrogênico decorrente de manter uma aparência pré-púbere enquanto seus pares seguem sua trajetória natural de puberdade.

Em 2014, existiam 24 clínicas de gênero concentradas principalmente na costa leste dos EUA e na Califórnia; um ano mais tarde havia 40 distribuídas pelo país. A Dra. Ximena Lopez, endocrinologista pediátrica no Children’s Medical Center Dallas e membro do programa Genecis (Educação e Assistência de Gênero, Apoio Interdisciplinar) desse centro, declarou: “[O uso deste protocolo] vem aumentando rapidamente. E a razão principal disso é que pais o estão exigindo e levando pacientes aos endocrinologistas pediátricos, porque sabem que esse serviço está disponível.”[45] Vale notar que a razão principal do uso aumentado do protocolo é a demanda por parte dos pais, e não a medicina baseada em evidências.

O risco dos agonistas do GnRH 

Os agonistas do GnRH usados para suprimir a puberdade em crianças com disforia de gênero incluem dois que são aprovados para o tratamento da puberdade precoce: a leuprolida por injeção intramuscular em doses mensais ou trimestrais, e a histrelina, um implante subcutâneo com dosagem anual.[34] Além de prevenir o desenvolvimento das características sexuais secundárias, os agonistas do GnRH sustam o crescimento ósseo, reduzem a acreção óssea, previnem a organização dependente de esteroides sexuais e a maturação do cérebro adolescente e inibem a fertilidade, ao impedir o desenvolvimento de tecido gonadal e de gametas maduros, pela duração do tratamento. Se a criança interromper o uso de agonistas do GnRH, ocorrerá a puberdade. [34],[42] Consequentemente, a Sociedade de Endocrinologia afirma que os agonistas do GnRH, além de o paciente viver socialmente como pessoa do sexo oposto, são intervenções plenamente reversíveis que não encerram risco de causar dano permanente a crianças.[42] Mas a teoria da aprendizagem social, a neurociência e o único estudo de acompanhamento de longo prazo de adolescentes que passaram pela supressão de puberdade, visto abaixo, contestam essa afirmação.

Não existe um único estudo controlado grande e randomizado que documente os alegados benefícios e potenciais danos da supressão da puberdade e de décadas de tratamento hormonal dados a crianças e adolescentes com disforia de gênero
Não existe estudo que documente benefícios e danos da supressão da puberdade

Em um estudo de acompanhamento de seus primeiros candidatos pré-púberes a receber tratamento de supressão da puberdade, De Vries e colegas documentaram que todos os sujeitos acabaram por adotar identidade transgênero e a pedir hormônios do sexo oposto.[46] É preocupante. Normalmente 80% a 95% das crianças pré-púberes com DG não continuam a apresentar DG. O fato de que 100% das crianças pré-púberes tenham escolhido tomar hormônios do sexo oposto sugere que o próprio protocolo conduz o indivíduo inevitavelmente a identificar-se como transgênero.

Existe algo evidentemente autorrealizado quando incentivamos uma criança com DG a fazer-se passar socialmente por uma pessoa do sexo oposto e depois instituímos a supressão de sua puberdade. Em vista do fenômeno amplamente constatado da neuroplasticidade, o comportamento reiterado de fazer-se passar pelo sexo oposto vai alterar de alguma maneira a estrutura e função do cérebro da criança, potencialmente de uma maneira que reduza a probabilidade de sua identidade alinhar-se com seu sexo biológico. Isso, somado à supressão da puberdade, que impede a masculinização ou feminilização endógena adicional do cérebro, leva a criança a permanecer ou como menino pré-púbere de gênero inconforme disfarçado de menina pré-púbere, ou o inverso. Como seus pares vão se desenvolver normalmente, convertendo-se em homens ou mulheres jovens, essas crianças ficam psicossocialmente isoladas. Elas serão menos capazes de identificar-se como sendo a pessoa biologicamente masculina ou feminina que são na realidade. Um protocolo de fazer-se passar pelo sexo oposto e de supressão da puberdade, que desencadeia um único resultado inevitável (a identificação transgênero) que exige o uso vitalício de hormônios sintéticos tóxicos, que produzem infertilidade, não é nem plenamente reversível nem isento de danos.

Agonistas do GnRH, hormônios do sexo oposto e infertilidade 

Como os agonistas do GnRH impedem a maturação do tecido gonadal e dos gametas em ambos os sexos, os jovens que, depois de passar pela supressão da puberdade no estágio 2 da escala de Tanner, são submetidos a tratamento com hormônios do sexo oposto serão convertidos em inférteis, sem qualquer possibilidade de terem filhos genéticos no futuro, porque não vão possuir os tecidos gonadais e gametas que possam ser criogenicamente preservados. O mesmo resultado ocorrerá se crianças pré-púberes receberem hormônios diretamente, sem a anterior supressão da puberdade. Adolescentes mais velhos que tenham rejeitado a supressão da puberdade são aconselhados a cogitar a possibilidade de conservação criogênica de seus gametas antes de iniciarem o tratamento com hormônios do sexo oposto. Isso lhes permitirá conceber filhos genéticos no futuro, por meio de tecnologia reprodutiva artificial. Embora existam casos documentados de adultos transgêneros que interromperam o tratamento com hormônios do sexo oposto para que seu corpo pudesse produzir gametas, conceber e ter um filho, não existe garantia absoluta de que essa seja uma opção viável no longo prazo. Ademais, os indivíduos transgênero que passam por cirurgia de redesignação sexual e têm seus órgãos reprodutivos extirpados tornam-se permanentemente inférteis.[34],[35],[36]

Riscos adicionais ligados aos hormônios do sexo oposto 

Os riscos potenciais de se tratar crianças com DG com hormônios do sexo oposto se baseiam na literatura especializada relativa a adultos. Vale lembrar que, nessa literatura relativa a adultos, o estudo Hayes afirma: “Existem riscos de segurança potencialmente de longo prazo ligados à terapia hormonal, mas nenhum deles foi comprovado ou excluído conclusivamente”.[40] Por exemplo, a maioria dos especialistas concorda que o risco de doença arterial coronariana entre adultos HaM é mais alto quando tomam etinil estradiol via oral; por esse motivo, são recomendadas formulação estrogênicas alternativas. Mas um estudo de adultos HaM que utilizaram produtos alternativos constatou um risco aumentado semelhante. Portanto, esse risco não foi nem comprovado nem excluído.[47],[48],[49] As crianças que fazem a transição para o sexo oposto vão precisar tomar esses hormônios por um tempo muito maior que os adultos. Consequentemente, a probabilidade de elas sofrerem morbidezes fisiologicamente teóricas, embora raramente observadas, é maior que a dos adultos. Levando em conta essas reservas, é mais exato dizer que a ingestão de estrogênio por via oral por meninos pode deixá-los em risco de sofrer: trombose/tromboembolismo; doença cardiovascular; ganho de peso; hipertrigliceridemia; hipertensão; redução na tolerância à glicose; doenças vesiculares, prolactinoma e câncer de mama.[47],[48],[49] Do mesmo modo, meninas que recebem testosterona podem sofrer um risco elevado de: HDL baixo e triglicérides elevados; níveis aumentados de homocisteína; hepatotoxicidade; policitemia; risco aumentado de apneia do sono; resistência à insulina, e efeitos desconhecidos sobre os tecidos mamários, endométricos e ovarianos.[47],[48],[49] Além disso, meninas podem legalmente submeter-se à mastectomia com apenas 16 anos, depois de fazerem tratamento com testosterona por um ano, e essa cirurgia carrega seu conjunto próprio de riscos irreversíveis.[34]

O adolescente pós-púbere com disforia de gênero 

Como foi destacado anteriormente, de 80% a 95% das crianças pré-púberes com DG verão sua condição se resolver até o final da adolescência, se não forem expostas à afirmação social e intervenção médica. Isso significa que entre 5% e 20% persistirão com a DG até o início da idade adulta. Não existe, no momento, nenhum exame médico ou psicológico para determinar quais crianças vão persistir com a DG na idade adulta jovem. As crianças pré-púberes com DG que persistem com a DG além da puberdade também apresentam probabilidade maior de persistir até a idade adulta. Por essa razão, a Sociedade de Endocrinologia e outras, incluindo o Dr. Zucker, consideram razoável afirmar a transgeneridade dos adolescentes que persistem com a DG após a puberdade, além dos que começam a apresentar a DG após a puberdade, e iniciar com eles o tratamento com hormônios do sexo oposto aos 16 anos de idade.[42]

O College discorda pelas seguintes razões. Primeiro, nem todos os adolescentes com DG vão inevitavelmente se identificar com transgênero no futuro, mas a ingestão de hormônios do sexo oposto vai inevitavelmente gerar mudanças irreversíveis em todos os pacientes. Em segundo lugar, o adolescente jovem simplesmente não possui maturidade suficiente para tomar decisões médicas importantes. O cérebro adolescente não alcança a capacidade de fazer uma avaliação de riscos plena antes de chegar ao início a meados da casa dos 20 anos. Há um problema ético importante em permitir que menores de idade recebam intervenções médicas que mudarão sua vida de modo irreversível, incluindo o tratamento com hormônios do sexo oposto e, no caso de meninas no nascimento, a mastectomia bilateral, quando ainda não são capazes de dar o consentimento informado sozinhos.

Como foi dito anteriormente, o College também vê com preocupação a tendência crescente entre adolescentes de se autodiagnosticarem como transgêneros após passarem períodos longos em sites de mídia social. Muitos desses adolescentes vão procurar um terapeuta depois de se autoidentificarem, mas muitos Estados foram obrigados, devido a pressões políticas não científicas, a proibir a chamada “terapia de conversão”. Essa proibição impede os terapeutas de se aprofundar não apenas nas atrações e identidade sexual do jovem, mas também em sua identidade de gênero. Os terapeutas não são autorizados a perguntar por que o adolescente se acredita transgênero; eles não podem explorar as questões de saúde mental subjacentes; não podem levar em conta a natureza simbólica da disforia de gênero e não podem levar em conta possíveis questões que estejam confundindo o problema, como o uso de mídias sociais ou o contágio social.[6]

Impacto da redesignação sexual em adultos, relacionado ao risco em crianças 

Pesquisas sugerem que adultos transgêneros manifestam um sentimento de alívio e satisfação após o uso de hormônios e cirurgia de redesignação sexual (CRD). Contudo, a CRD não resulta em um nível de saúde equivalente ao da população geral.[50]

Por exemplo, um estudo de 2001 com 392 transgêneros homem a mulher (HaM) e 123 transgêneros mulher a homem (MaH) constatou que 62% dos transgêneros HaM e 55% dos MaH sofriam de depressão. Quase um terço (32%) de cada grupo tinha tentado o suicídio.[51] Do mesmo modo, em 2009, Kuhn e colegas encontraram saúde geral e satisfação geral com a vida consideravelmente inferiores entre 52 transexuais HaM e três MaH, 15 anos depois de passarem por CRD, comparados aos controles.[52] Finalmente, um estudo de acompanhamento feito ao longo de 30 anos de pacientes transgêneros pós-cirúrgicos na Suécia constatou que o índice de suicídio entre adultos transgêneros operados era quase 20 vezes maior que o da população geral. Para que fique claro, isso não prova que a redesignação sexual provoca risco aumentado de suicídio ou outras morbidezes psicológicas. O que indica é que a cirurgia de redesignação sexual, por si só, não oferece ao indivíduo um nível de saúde mental comparável ao da população geral. Os autores resumiram suas descobertas como segue:

As pessoas com transexualismo, após passarem pela redesignação sexual, apresentam riscos de mortalidade, comportamento suicida e morbidez psiquiátrica consideravelmente mais elevados que a população geral. Nossas descobertas sugerem que a redesignação sexual, embora alivie a disforia de gênero, talvez não seja o bastante como tratamento do transexualismo e deve inspirar atendimento psiquiátrico e somático melhor para esse grupo de pacientes após passarem pela redesignação sexual.[50]

Vale notar que essas disparidades de saúde mental são observadas em um dos países mais abertos do mundo a lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT). Isso sugere que essas diferenças de saúde não sejam devidas principalmente ao preconceito social, mas à condição ou ao estilo de vida dos adultos transgêneros. Essa ideia também condiz com um estudo americano publicado no Journal of LGBT Health em 2008, que constatou que a discriminação não explica as discrepâncias de saúde mental entre indivíduos que se identificam como LGBT e a população heterossexual.[53]

As pessoas com transexualismo, após passarem pela redesignação sexual, apresentam riscos de mortalidade, comportamento suicida e morbidez psiquiátrica consideravelmente mais elevados que a população geral
Pessoas com transexualismo têm riscos de mortalidade, suicídio e morbidez psiquiátrica

Na ausência de intervenção hormonal e cirúrgica, apenas 5%-20% das crianças pré-púberes com DG enfrentarão uma idade adulta transgênera que parece predispô-las a certas morbidezes e a um risco aumentado de morte precoce. Contrastando com isso, o único estudo conduzido com crianças pré-púberes com DG que passaram por supressão da puberdade deixa claro que 100% dessas crianças serão transgênero na idade adulta. Portanto, as atuais intervenções de afirmação transgênero em clínicas de gênero pediátricas irão estatisticamente gerar esse resultado para as restantes 80% a 95% das crianças pré-púberes com DG que, de outro modo, teriam identificado seu sexo biológico antes de chegar a idade adulta.

Recomendações para pesquisa 

Estudos com gêmeos idênticos mostram que fatores ambientais pós-natais exercem influência considerável sobre o desenvolvimento da disforia de gênero e do transgenerismo. Dados também refletem um índice de resolução superior a 80% entre crianças pré-púberes com DG. Por essa razão, um alvo de pesquisas deve ser a identificação dos diversos fatores ambientais e caminhos que desencadeiam a DG em crianças biologicamente vulneráveis. Atenção especial precisa ser dada ao impacto de acontecimentos adversos na infância e ao contágio social. Outra área em que mais pesquisas são muito necessárias é na psicoterapia. São urgentemente necessários e já deveriam ter sido iniciados há muito tempo estudos longitudinais grandes e de longo prazo em que crianças com DG e suas famílias são encaminhadas de maneira randomizada a tratamento com diversas modalidades terapêuticas e avaliadas segundo múltiplos critérios de saúde física e emocional. Além disso, os estudos de acompanhamento de longo prazo que avaliam critérios objetivos de saúde física e mental de adultos transexuais operados precisam incluir um grupo de controle correspondente composto de indivíduos transgênero não submetidos à CRD. Essa será a única maneira de testar a hipótese de que a própria CRD pode causar mais danos aos indivíduos do que eles sofreriam apenas com psicoterapia.

Conclusão 

A disforia de gênero (DG) infantil é um termo usado para descrever uma condição psicológica em que uma criança sente uma incongruência marcante entre o gênero que sente ter e o gênero associado a seu sexo biológico. Estudos com gêmeos demonstram que a DG não é uma característica inata. E, sem a afirmação de sua transexualidade antes da adolescência e sem intervenção hormonal, antes de chegarem ao final da adolescência, entre 80% e 95% das crianças com DG vão aceitar a realidade de seu sexo biológico.

O tratamento da DG infantil com hormônios equivale, na prática, à realização de experimentos em massa e esterilização de crianças e adolescentes que são cognitivamente incapazes de dar seu consentimento informado. Existe um problema ético grave em permitir que procedimentos irreversíveis e transformadores de vida sejam realizados em menores que não têm idade suficiente para darem o consentimento válido, eles próprios; os adolescentes não são capazes de compreender a magnitude de tais decisões.

A ética, por si só, exige o fim da supressão da puberdade com agonistas do GnRH, hormônios do sexo oposto e cirurgias de redesignação sexual em crianças e adolescentes. O College recomenda a cessação imediata dessas intervenções e o fim da promoção da ideologia de gênero por meio de currículos escolares e políticas legislativas. A saúde, os currículos escolares e a legislação precisam permanecer ancorados à realidade física. Pesquisas científicas precisam buscar uma compreensão melhor das bases psicológicas desse transtorno, a identificação das terapias familiares e individuais mais indicadas e um esforço para delinear as diferenças entre crianças cuja condição se resolve com acompanhamento e espera, versus aquelas cuja condição se resolve com terapia e as cuja condição persiste não obstante a terapia.

Tradução: Clara Allain

Original em inglês: Gender Dysphoria in Children

Ideologia de Gênero

Veja as últimas notícias e análises da Gazeta do Povo

Leia mais

Referências

  1. Shechner T. Gender identity disorder: a literature review from a developmental perspective. Isr J Psychiatry Relat Sci,2010; número 47, pp. 132-138.
  2. American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 5ª edição, 2013, pp. 451-459.
  3. Cohen-Kettenis PT, Owen A, Kaijser VG, Bradley SJ, Zucker KJ. Demographic characteristics, social competence, and behavior problems in children with gender identity disorder: a cross-national, cross-clinic comparative analysis. J Abnorm Child Psychol,2003, número 31, pp. 41–53.
  4. Singal J. How the fight over transgender kids got a leading sex researcher fired. New York Magazine, 2016. Disponível em http://nymag.com/scienceofus/2016/02/fight-over-trans-kids-got-a-researcher-fired.html. Acesso em 15 de maio de 2016.
  5. Bancroft J, Blanchard R, Brotto L, et al. Open Letter to the Board of Trustees of CAMH; Jan 11, 2016. Disponível em ipetitions.com/petition/boardoftrustees-CAMH. Acesso em 15 de maio de 2016.
  6. Youth Trans Critical Professionals. Professionals Thinking Critically about the Youth Transgender Narrative. Disponível em https://youthtranscriticalprofessionals.org/about/. Acesso em 15 de junho de  2016.
  7. Skipping the puberty blockers: American “transgender children” doctors are going rogue, 2014. Disponível em https://gendertrender.wordpress.com/2014/11/11/skipping-the-puberty-blockers-american-transgender-children-doctors-are-going-rogue/. Acesso em 15 de maio de 2016.
  8. Brennan, W. Dehumanizing the Vulnerable: When word games take lives. Chicago: Loyola University Press, 1995.
  9. Kuby, G. The Global Sexual Revolution: Destruction of freedom in the name of freedom. Kettering, OH: Angelico Press, 2015.
  10. Jeffeys, S. Gender Hurts:A feminist analysis of the politics of transgendersim. NY: Routledge, 2014 (p. 27).
  11. Forcier M, Olson-Kennedy J. Overview of gender development and gender nonconformity in children and adolescents. UpToDate; 2016. Disponível em www.uptodate.com/contents/overview-of-gender-development-and-clinical-presentation-of-gender-nonconformity-in-children-and-adolescents?source=search_result&search=Overview+of+gender+nonconformity+in+children&selectedTitle=2percent7E150. Acesso em 16 de maio de 2016.
  12. Rametti G, Carrillo B, Gomez-Gil E, et al. White matter microstructure in female to male transsexuals before cross-sex hormonal treatment. A diffusion tensor imaging study. J Psychiatr Res, 2011, número 45, pp. 199-204.
  13. Kranz GS, Hahn A, Kaufmann U, et al. White matter microstructure in transsexuals and controls investigated b diffusion tensor imaging. J Neurosci, 2014, número 34(46), pp. 15466-15475.
  14. Gu J, Kanai R. What contributes to individual differences in brain structure? Front Hum Neurosci, 2014, número 8, p. 262.
  15. Reyes FI, Winter JS, Faiman C. Studies on human sexual development fetal gonadal and adrenal sex steroids. J Clin Endocrinol Metab, 1973, número 37(1), pp. 74-78.
  16. Lombardo M. Fetal testosterone influences sexually dimorphic gray matter in the human brain. J Neurosci, 2012, número 32, pp. 674-680.
  17. Campano A. [ed]. Geneva Foundation for Medical Education and Research. Human Sexual Differentiation, 2016. Disponível em www.gfmer.ch/Books/Reproductive_health/Human_sexual_differentiation.html. Acesso em 11 de maio de 2016.
  18. Shenk, D. The Genius in All of Us: Why everything you’ve been told about genetics, talent, and IQ is wrong, 2010, New York, NY, Doubleday, p. 18.
  19. Diamond, M. “Transsexuality Among Twins: identity concordance, transition, rearing, and orientation.” International Journal of Transgenderism, número 14(1), pp. 24–38. (Nota: o resumo deste artigo afirma equivocadamente que o índice de concordância de gêmeos monozigóticos é de 20%. A dra. Cretella, autora deste relatório “Disforia de Gênero em Crianças”, referenciou diretamente os dados do Dr. Diamond para demonstrar que o índice de concordância correta é um pouco superior a 28%).
  20. Consortium on the Management of Disorders of Sex Development. Clinical Guidelines for the Management of Disorders of Sex Development in Childhood. Intersex Society of North America; 2006. Disponível em www.dsdguidelines.org/files/clinical.pdf. Acesso em 20 de março de 2016.
  21. Zucker KJ, Bradley SJ. Gender Identity and Psychosexual Disorders. FOCUS, 2005, número 3(4), pp. 598-617.
  22. Zucker KJ, Bradley SJ, Ben-Dat DN, et al. Psychopathology in the parents of boys with gender identity disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 2003, número 42, pp. 2-4.
  23. Kaltiala-Heino et al. Two years of gender identity service for minors: overrepresentation of natal girls with severe problems in adolescent development. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health, 2015, número 9, p. 9.
  24. Zucker KJ, Spitzer RL. Was the Gender Identity Disorder of Childhood Diagnosis Introduced into DSM-III as a Backdoor Maneurver to Replace Homosexuality? Journal of Sex and Marital Therapy, 2005, número 31, pp. 31-42.
  25. Roberts A. Considering alternative explanations for the associations among childhood adversity, childhood abuse, and adult sexual orientation: reply to Bailey and Bailey (2013) and Rind (2013). Arch Sexual Behav, 2014 número 43, pp. 191-196.
  26. Blom RM, Hennekam RC, Denys D. Body integrity identity disorder. PLoS One, 2012, número 7(4).
  27. Lawrence A. Clinical and theoretical parallels between desire for limb amputation and gender identity disorder. Arch Sexual Behavior, 2006, número 35, pp. 263-278.
  28. King CD. The meaning of normal. Yale J Biol Med, 1945, número 18, pp. 493-501.
  29. Cohen-Kettenis PT, Delemarre-van de Waal HA, Gooren LJ. The treatment of adolescent transsexuals: changing insights. J Sexual Med, 2008, número 5, pp. 1892–1897.
  30. Bailey MJ, Triea K. What many transsexual activists don’t want you to know and why you should know it anyway. Perspect Biol Med, 2007, número 50, pp. 521-534. Disponível em www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17951886. Acesso em 11 de maio de 2016.
  31. Sadjadi S. The endocrinologist’s office–puberty suppression: saving children from a natural disaster? Med Humanit, 2013, número 34, pp. 255-260.
  32. Bertolote JM, Fleischmann A. Suicide and psychiatric diagnosis: a worldwide perspective. World Psychiatry 2002;1(3):181–185.
  33. Eyler AE, Pang SC, Clark A. LGBT assisted reproduction: current practice and future possibilities. LGBT Health, 2014, número 1(3), pp. 151-156.
  34. Schmidt L, Levine R. Psychological outcomes and reproductive issues among gender dysphoric individuals. Endocrinol Metab Clin N Am, 2015, número 44, pp. 773-785.
  35. Jeffreys, S. The transgendering of children: gender eugenics. Women’s Studies International Forum, 2012, número 35. pp. 384-393.
  36. Johnson SB, Blum RW, Giedd JN. Adolescent maturity and the brain: the promise and pitfalls of neuroscience research in adolescent health policy. J Adolesc Health, 2009, número 45(3), pp. 216-221.
  37. US Department of Health and Human Services. Nuremberg Code, 2015. Disponível em www.stat.ncsu.edu/people/tsiatis/courses/st520/references/nuremberg-code.pdf. Acesso em 15 de maio de 2016.
  38. World Health Organization. Eliminating forced, coercive and otherwise involuntary sterilization. Interagency Statement, 2014. Disponível em www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/201405_sterilization_en.pdf. Acesso em 16 de maio de 2016.
  39. Hayes, Inc. Sex reassignment surgery for the treatment of gender dysphoria. Hayes Medical Technology Directory. Lansdale, Pa.: Winifred Hayes; May 15, 2014.
  40. Hayes, Inc. Hormone therapy for the treatment of gender dysphoria. Hayes Medical Technology Directory. Lansdale, Pa: Winifred Hayes, 2014.
  41. Kennedy P. Q & A with Norman Spack: a doctor helps children change their gender. Boston Globe, Mar 30, 2008. Disponível em http://archive.boston.com/bostonglobe/ideas/articles/2008/03/30/qa_with_norman_spack/. Acesso em 16 de maio de 2016.
  42. Hembree WC, Cohen-Kettenis PT, Delemarre-van de Wall HA, et al. Endocrine treatment of transsexual persons: An Endocrine Society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab, 2009, número 94, pp. 3132-3154.
  43. Reardon S. Transgender youth study kicks off: scientists will track psychological and medical outcomes of controversial therapies to help transgender teens to transition. Nature, 2016, número 531, pp. 560. Disponível em www.nature.com/news/largest-ever-study-of-transgender-teenagers-set-to-kick-off-1.19637. Acesso em 16 de maio de 2016.
  44. Keleman M. What do transgender children need? Houstonian Magazine, 2014. Disponível em www.houstoniamag.com/articles/2014/11/3/what-do-transgender-children-need-november-2014. Acesso em 16 de maio de 2016.
  45. Farwell S. Free to be themselves: Children’s Medical Center Dallas opens clinic for transgender children and teenagers, the only pediatric center of its type in the Southwest. Dallas Morning News, 2015. Disponível em http://interactives.dallasnews.com/2015/gender/. Acesso em 16 de maio de 2016.
  46. De Vries ALC, Steensma TD, Doreleijers TAH, Cohen-Kettenis, PT. Puberty suppression in adolescents with gender identity disorder: a prospective follow-up study. J Sex Med, 2011, número 8, pp. 2276-2283.
  47. Feldman J, Brown GR, Deutsch MB, et al. Priorities for transgender medical and healthcare research. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes, 2016, número 23, pp. 180-187.
  48. Tangpricha V. Treatment of transsexualism. UpToDate Disponível em www.uptodate.com/contents/treatment-of-transsexualism?source=search_result& search=treatment+of+transsexualism&selectedTitle=1percent7E8. Acesso em 14 de maio de 2016.
  49. Moore E, Wisniewski A, Dobs A. Endocrine treatment of transsexual people: a review of treatment regimens, outcomes, and adverse effects. J Clin Endocrinol Metab, 2003, número 88, pp. 3467-3473.
  50. Dhejne, C, et.al. “Long-Term Follow-Up of Transsexual Persons Undergoing Sex Reassignment Surgery: Cohort Study in Sweden.” PLoS ONE, 2011; número 6(2). Filiação: Departamento de neurociência clícina, Divisão de Psiquiatria, Instituto Karolinska, Estocolmo, Suécia. Department of Clinical Neuroscience, Division of Psychiatry, Karolinska Institutet, Stockholm, Sweden. Acesso em 11 de julho de 2016 a partir de http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0016885.
  51. Clements-Nolle, K., et al. HIV prevalence, risk behaviors, health care use and mental health status of transgender persons: implications for public health intervention. Am J Public Health,2001, número 91(6), pp. 915-21.
  52. Kuhn, A., et al. Quality of Life 15 years after sex reassignment surgery for transsexualism. Fertility and Sterility, 2009, número 92(5), pp. 1685-89.
  53. Burgess D, Lee R, Tran A, van Ryn M. Effects of Perceived Discrimination on Mental Health and Mental Health Services Utilization Among Gay, Lesbian, Bisexual and Transgender Persons. Journal of LGBT Health Research, 2008, número 3(4), pp. 1-14.